sexta-feira, 30 de junho de 2017

A confirmação do novo testamento



Sir William Mitchell Ramsay, historiador Inglês do século 19 e autor prolífico, possuía um viés anti- bíblico. Ele acreditava que os relatos históricos no Livro de Atos foram escritos em meados do século 2. Ramsay era cético acerca da autoria de Lucas e da historicidade do Livro de Atos, e ele estabeleceu provar suas suspeitas. Ele começou um estudo detalhado da evidência arqueológica e, finalmente, chegou a uma conclusão esclarecedora: a evidência histórica e arqueológica apoia a autoria do primeiro século de Lucas e a confiabilidade histórica:
“(Há) razões para colocar o autor de Atos entre os historiadores de primeira classe” (Sir William Ramsay, St. Paul the Traveler and the Roman Citizen, p. 4).
Ramsay tornou-se convencido da confiabilidade de Lucas com base na descrição precisa de eventos e cenários históricos. Ramsay não foi o único estudioso a ficar impressionado com a precisão de Lucas:
“Um dos símbolos mais marcantes da precisão (de Lucas) é a sua certeza de familiaridade com os títulos adequados de todas as pessoas notáveis que são mencionadas… Chipre, por exemplo, que era uma província imperial até 22 a.C., tornou-se uma província senatorial naquele ano, e foi, portanto, não mais governada por um legado imperial, mas por um procônsul. E assim, quando Paulo e Barnabé chegaram em Chipre cerca de 47 d.C., foi o procônsul Sérgio Paulo que eles conheceram… ” (F.F. Bruce, The New Testament Documents: Are They Reliable?, p. 82).
Narrativas de Lucas incluem descrições detalhadas e específicas relacionadas com os locais, pessoas, funções e títulos dentro do Império Romano. Na verdade, muitas das afirmações de Lucas foram finalmente confirmada por descobertas arqueológicas:

Relacionada à Quirino

Lucas escreveu que José e Maria voltaram para Belém porque um governador sírio chamado Quirino estava conduzindo um censo (Lucas 2:1-3). As descobertas arqueológicas no século XIX revelaram que Quirino (ou alguém com o mesmo nome) também foi um procônsul da Síria e Cilícia de 11 a.C. até a morte de Herodes. O nome do Quirino foi descoberto numa moeda deste período de tempo, e na base de uma estátua erguida em Antioquia da Pisídia.
Relacionado à Erasto
Em Romanos 16:23, Paulo escreveu: “Saúda-vos Erasto, procurador da cidade”. Um pedaço de pavimento foi descoberto em Corinto, em 1929, confirmando sua existência.

Relacionado à Lisânias

Lucas descreveu um tetrarca chamado Lisânias e escreveu que esse homem reinou sobre Abilene quando João Batista começou o seu ministério (Lucas 3:1). Duas inscrições foram descobertas que mencionam Lisânias pelo nome. Uma delas, datada de AD 14-37, identifica Lisânias como tetrarca de Abila, perto de Damasco .

Relacionado à Icônio

Em Atos 13:51, Lucas descreveu a cidade em Frígia. Alguns escritores antigos (como Cícero) escreveram que Icônio estava localizada na Licaônia, ao invés de Frígia, mas um monumento foi descoberto em 1910 que confirmou Icônio como uma cidade na Frígia.

Relacionado ao Tanque de Betesda

João escreveu sobre a existência de um tanque de Betesda (João 5:1-9) e disse que ele estava localizado na região de Jerusalém, perto da Porta das Ovelhas, cercado por cinco pórticos. Em 1888, os arqueólogos começaram a escavar a área perto da Igreja de St. Anne, em Jerusalém, e descobriu os restos do tanque, com degraus de um lado e cinco pórticos do outro lado.
Relacionado aos politarcos
Por muitos séculos, Lucas foi o único escritor antigo a usar a palavra politarcos para descrever os governantes da cidade. Os céticos duvidaram que era um termo grego legítimo até que dezenove inscrições foram descobertas. Cinco delas usavam a palavra com referência a Tessalônica (a própria cidade em que Lucas estava afirmando ter ouvido o termo).
Relacionado ao tanque de Siloé
João escreveu sobre o tanque de Siloé (João 9:1-12) e descreveu-o como um lugar de purificação cerimonial. Os arqueólogos Ronny Reich e Eli Shukrun escavaram o tanque e dataram o mesmo entre 100 a.C. e 100 d.C. (com base nas características do tanque e moedas encontradas na argamassa).

Relacionado à Pôncio Pilatos

Por muitos anos, a única confirmação que tínhamos para a existência de Pôncio Pilatos (governador da Judéia, que autorizou a crucificação de Jesus) era uma breve citação por Tácito. Em 1961, no entanto, um pedaço de calcário foi descoberto com uma inscrição com o nome de Pilatos. A inscrição foi descoberta em Cesaréia, a capital provincial durante o mandato de Pilatos (26-36 d.C.), e descreve um prédio dedicado por Pilatos para Tibério César.

Relacionado ao costume da crucificação

Enquanto milhares de criminosos condenados e prisioneiros de guerra foram alegadamente executados dessa maneira, nenhum deles tinha sido descoberto em qualquer sítio arqueológico. Em 1968, Vassilios Tzaferis encontrou os primeiros restos de uma vítima de crucificação, Yohanan Ben Ha’galgol, enterrado em um bo túmulo judeu “kôkhîmtype”.

Relacionado à Sérgio Paulo

Em Atos 13, Lucas identificou Sérgio Paulo, um procônsul em Pafos. Os céticos duvidavam da existência deste homem e afirmavam que qualquer líder dessa área seria um “pretor” ao invés de um procônsul. Mas uma inscrição foi descoberta em Soli, em Chipre, que confirmou Paulo e identificou-o como um procônsul.
Além dessas descobertas arqueológicas, há muitos outros detalhes registrados no livro de Atos que comprovam sua precisão histórica. Lucas descreve características do mundo romano corroboradas por outros historiadores não-cristãos:
Lucas inclui uma descrição correta das duas maneiras de ganhar a cidadania romana (Atos 22:28)
Lucas inclui uma explicação precisa do procedimento penal provincial (Atos 24:1-9)
Lucas inclui uma representação correta de invocar sua cidadania romana, incluindo a fórmula legal, de quibus cognoscere volebam (Atos 25:18)
Lucas inclui uma descrição precisa de estar sob custódia romana e as condições de ser preso aos seus próprios custos (Atos 28:16 e Atos 28:30-31)
A arqueologia é uma disciplina de “frações”. Dada a natureza da arqueologia, não devemos esperar encontrar corroboração para cada reivindicação da história, independentemente do autor histórico. Mas, apesar das dificuldades inerentes e as limitações da disciplina, a evidência arqueológica que apoia as reivindicações do Novo Testamento é extremamente robusta (consulte a Biblical Archaeology Society para evidências adicionais). Como um detetive, eu também vim a respeitar e reconhecer os limites de evidências mais contundentes. A arqueologia corrobora suficientemente a história do Novo Testamento, proporcionando-nos “sinais notáveis 
fonte www.biblicaarqueologia.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

INICIO DO BLOG DIVERSOS ARTIGOS

                                                                 Arqueologia descobertas comprovam a biblia Arqueologia as mina...